Filosofias de montanhas-russas.

leros, leros e boleros

se for, deu

és

que

sê-la

rebobinando

maldita dor
de coração
mau ditador
de minha ação

liberdade estranha essa que me acorrenta

aos meus medos

a minha ansia e angustia 

e talvez aquela delícia

de ser eu mesma

assim, assado.

sobre potências sexuais

amém, do-in

 

 
 
 

 

 

frações ululantes

1/6 era sentido

 1/3 rezado

o resto eram palavras soltas ao vento

1/2 amor mal-passado

decisões

quero uma mulher que seja de si

de dá

de me amar do umbigo até o coração cair doente

abri a porta de correr
senti 
cheiro de suspiro de velho
de furia de moça
cheiro de olhares tentados
algo como o baile do filme peggy sue, 
como mocinha que tenta o mocinho num velho faroeste,
aquele frescor de sessão da tarde, matinê

pediu cerveja, fumou 5 malboros
e sangrou

tornar-se mulher é pecado.